Várzea Grande retoma ações emergenciais no pós chuva e acelera obras públicas


Além da recuperação de ruas e avenidas castigadas pelas chuvas torrenciais, a prefeita Lucimar Sacre

POLÍTICA Publicada: 13/04/2018 08:27:32 Autor: Secomvg
Foto: Secomvg
Secretario Breno.

Com a proximidade do fim do período de chuvas, a Prefeitura de Várzea Grande passou a reforçar ações e obras para recuperação de ruas e avenidas que ficaram prejudicadas pelo volume de águas que ficou cerca de 55% maior do que a incidência do ano passado.

Acompanhado de secretários, a prefeita Lucimar Sacre de Campos, fiscalizou as obras que estão sendo executadas nos bairros do Grande Cristo Rei e garantiu investimentos da ordem de R$ 10 milhões entre obras como da Unidade de Pronto Atendimento - UPA Grande Cristo Rei que já está 80% de suas obras físicas concluídas e operações de tapa buraco, recuperação de malha viária e limpeza de córregos entre outras.

“Estávamos aguardando diminuir a incidência das chuvas para imprimir um ritmo acelerado nas ações da administração municipal”, disse a prefeita Lucimar Sacre de Campos acompanhada pelo vice-prefeito, José Hazama, apontando que mesmo com as chuvas intensas, a administração municipal manteve todos os serviços alertas e a recuperação constante em atividade.

Os secretários, de Obras e Viação, Luiz Celso Morais e de Serviço Públicos e Mobilidade Urbana, Breno Gomes, explicaram que nos últimos dias muitas das ações realizadas pela administração municipal em termos de recuperação de ruas e avenidas e de limpeza, acabaram prejudicadas pelas águas das chuvas.

“Chegamos a realizar obras de recuperação de ruas e avenidas pela manhã e depois a tarde após as chuvas os serviços foram perdidos’, explicaram os secretários.

Lucimar cobrou o cronograma de todas as obras, principalmente as que se referem à Unidade de Pronto Atendimento UPA Grande Cristo Rei que deverá ser inaugurada ainda em 2018.

“A previsão de entrega da obra da UPA é para o final do mês outubro deste ano cujos investimentos entre obra e equipamentos giram em torno de R$ 6 milhões. A Obra física está sendo executada a um custo estimado de R$ 2,4 milhões, recursos provenientes de um convênio junto ao Ministério da Saúde. Com a aquisição de todos os equipamentos, mobiliário, além do material humano que ficará so